quinta-feira, 31 de maio de 2012

O vaqueiro e o pescador - Antônio Nóbrega

Nasci no sertão desfrutando as virtudes
Dos tempos de inverno, fartura e bonança.
Depois veio a seca, fugiu-me a esperança
Diante de cenas cruéis e tão rudes.
Vi secos os rios, as fontes e açudes,
E eu, que gostava tanto de pescar,
Saí pelo mundo tristonho a vagar.
Fui ter numa praia de areias branquinhas
E, olhando a beleza das águas marinhas,
Cantei meu galope na beira do mar.
Ali na cabana de alguns pescadores,
Olhando a beleza do mar e do arrebol,
Bonitas morenas, queimadas de sol,
Alegres me ouviam cantar seus amores.
A brisa soprava com leves rumores,
O pinho a gemer e depois a chorar.
Aquelas morenas, à luz do luar,
Me davam a impressão que fossem sereias.
Risonhas, sentadas nas alvas areias,
Ouvindo meus versos na beira do mar.
Eu sempre que via, lá no meu sertão,
Cabloco vaqueiro de grande bravura,
Num simples cavalo, na mata mais dura,
Com roupa de couro pegar o barbatão,
Dizia abismado com aquela impressão:
'não há quem o possa em bravura igualar'
Mas depois que eu vi um praiano pescar
Numa frágil jangada ou barco veleiro,
Achei-o, tão bravo tal qual o vaqueiro...
Merece uma estátua na beira do mar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Seguidores

VIDE - OS

Loading...