quarta-feira, 19 de outubro de 2011

CANUDOS - ANTONIO NÓBREGA

Canudos

Antonio Nóbrega

Composição: Antonio Nóbrega e Wilson Freire

Eu, viandante de um chão poento.
Dias queimosos, vida sem idílio.
Preces voltadas para sóis ardentes,
Luares claros a buscar o auxílio.
Para os meus olhos, confusão pasmosa,
Batalha surda, secular martírio.

Ai, desatino!
Ai, meu penar!
Ai, velho medo! sombra e malpassar!

Vi mamelucos, pardos, vi cafusos.
Rostos marcados: um santo sudário.
Em bom conselho, bendegó, pontal,
Vi conselheiro rezar solitário.
E anunciando o inverno benfazejo,
Em monte santo subiu para o calvário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Wikipedia

Resultados da pesquisa

Seguidores

VIDE - OS

Loading...